Sexta-feira
18 de Junho de 2021 - 

Controle de Processos

Newsletter

Últimas notícias

Portaria estabelece política de impressão no Poder Judiciário com foco em redução de custos e impacto ambiental

O documento assinado pelo presidente do TJTO, desembargador João Rigo Guimarães, atualiza e acrescenta novos termos a Portaria nº 3.433, de 26 de junho de 2017, que instituiu a política de segurança da informação no âmbito do Poder Judiciário tocantinense, e segue os princípios da eficiência e economicidade na administração pública, a necessidade de promover o uso eficiente dos recursos de impressão e a implementação do teletrabalho, ao levar em conta a economia que decorre desta prática, sobretudo no consumo de materiais de expediente. “A política de impressão da forma como está estruturada produzirá mais redução de gastos, pois deixaremos de fazer aquisição de suprimentos de impressão. Além disso, trará benefícios ambientais, com a não geração de resíduos perigosos, e impactará positivamente nos índices para obtenção do Prêmio CNJ de Qualidade, tendo em vista ser a impressão um dos indicadores tratados no PLS deste Poder”, explica a coordenadora do Núcleo de Gestão Socioambiental (Nuges-TJTO), Leila Jardim. Ações ambientalmente corretas A política de impressão, como lembrando pela coordenadora do Nuges, vai ao encontro do Plano de Logística Sustentável do Poder Judiciário do Tocantins (PLS-PJTO), que é baseado em ações ambientalmente corretas com o objetivo de reduzir o impacto no meio ambiente, tendo como premissas a redução do consumo; o reaproveitamento e reciclagem de materiais; e a revisão dos modelos de padrão de consumo e a análise do ciclo de vida dos produtos. Aprovado no final de março de ano, o plano tem 74 metas a serem executadas até 2023, entre elas a redução do uso de papel. O PLS-PJTO é um instrumento de gestão estratégico socioambiental, alinhado à Estratégia Nacional do Judiciário, como prevê a Resolução nº 325 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), e que proporciona a defesa e proteção do meio ambiente, eficiência do gasto público e da gestão dos processos de trabalho, em sintonia com as diretrizes da Agenda ONU 2030. Economia A portaria que adiciona a política de impressão ao PSI aponta as diretrizes da nova norma, fala sobre a distribuição dos equipamentos de impressão, pontua sobre a finalidade e uso do recurso e explica sobre infraestrutura do serviço de impressão. Segundo o documento, a gestão dos serviços tem como objetivo propiciar o uso adequado dos recursos, de modo a reduzir o volume de impressões e gerar economia aos cofres públicos. O documento também diz que fica a cargo do Núcleo de Gestão Socioambiental (Nuges-TJTO), em parceria com a Diretoria de Tecnologia da Informação, a elaboração de campanhas de conscientização que promovam o uso racional dos recursos de impressão. “O Tribunal tem pautado medidas de sustentabilidade e a política de impressão é mais um passo importante na consolidação dessas ações. É  importante que os usuários conheçam essa política e que façam uso dela. Esse é um momento impar que estamos vivendo um vez que estamos substituindo todo nosso parque de impressão e passaremos a gerenciar de forma mais precisa os recursos. Pedimos a colaboração de todos para que quando os números forem revelados a gente possa mostrar a conscientização no uso de serviços de impressão", destaca o  diretor da área de Tecnologia da Informação do TJTO,  Ernandes Rodrigues da Silva. Diretrizes O documento elenca as seguintes diretrizes: a impressão de documentos deve ser restrita aos casos de absoluto interesse do serviço; limitar o uso de impressão colorida às hipóteses em que a natureza do serviço exigir; centralização da impressão nas unidades administrativas e judiciárias; pulgação de ações para a conscientização de uso racional dos recursos de impressão; preferência pela contratação de serviços terceirizados de impressão (outsourcing) no lugar de aquisição de equipamentos de impressão. Também serão instituídos processos internos de auditoria, para propiciar o controle adequado dos recursos e serviços de impressão, a adoção de práticas de sustentabilidade e o planejamento eficaz de ações futuras. Finalidade e uso do recurso A portaria, que está em vigor desde sua publicação, estabelece que o uso adequado dos recursos de impressão visa garantir a continuidade da prestação jurisdicional do Poder Judiciário. Os recursos de impressão, disponíveis para o usuário, só podem ser utilizados em atividades estritamente relacionadas às suas funções institucionais. O documento ressalta que, a impressão de documentos deve ser reduzida ao mínimo necessário e em caso que haja necessidade de impressão, deve ser dada preferência à utilização de impressoras monocromáticas, fonte econômica, impressão frente e verso e outras formatações que visem reduzir o número de folhas. Cabe ao gestor do recurso de impressão verificar a utilização das impressoras pelos usuários da sua unidade. Outro ponto importante destacado no documento, a impressão de mais de cem páginas deve ser justificada pelo gestor ou pelo titular da unidade, no momento da validação do relatório periódico de prestação dos serviços.
10/06/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  187565